Vídeo mostra grave acidente de Jorge Ricardo, que poderá largar as corridas (ARG)

 

 

 

Uma tragédia. Esta é a melhor definição para à corrida de ontem à tarde, no Hipódromo de Palermo, em Buenos Aires. No segundo páreo da programação, aquele que deveria ser apenas mais um capítulo da rotina de Jorge Ricardo, na caminhada para o recorde mundial de vitórias, transformou-se em drama. Fran Triomphe, o seu conduzido, de repente atirou-se de forma violenta em direção à cerca interna. O experiente piloto, apanhado de surpresa, não conseguiu evitar a queda. Ricardo caiu de costas e sua perna esquerda chocou-se com a cerca. Atendido de imediato ficou constatada a fratura do fêmur. Ricardinho está internado na Clínica Bazterrica, onde passará por cirurgia. O sonho de recuperar o recorde mundial, que estava tão perto, agora parece ter ficado muito distante.

Aos 55 anos, Jorge Ricardo já foi recordista mundial de vitórias por duas vezes. Depois de ultrapassar o canadense Russel Baze, e liderar o topo do mundo por alguns meses, teve de enfrentar um drama. Vítima de um linfoma, trocou às pistas por pelas sessões de quimioterapia durante oito meses. Deu a volta por cima e correu atrás do prejuízo. Voltou a superar o temível rival e trouxe alegria e orgulho a legião de fãs e turfistas brasileiros que o idolatram. Mas as coisas para Ricardinho nunca foram fáceis. No ano seguinte rodou de um cavalo que estava nas últimas posições e sofreu 11 pequenas fraturas no cotovelo direito. Russel Baze voltou a liderança. Os médicos pediram cautela ao campeão e o cercaram de cuidados no retorno às competições. Jorge Ricardo voltou com tudo e o duelo titânico com Baze recomeçou.

No ano passado, o canadense também provou do pior remédio da profissão de jóquei: o perigo. Sofreu queda no Hipódromo de Golden Gate, na Califórnia, e teve luxação na clavícula. Em pouco mais de um mês Russel Baze estava recuperado e ainda na liderança do ranking mundial. Chegou a vencer algumas corridas. Mas, pressionado pela família, decidiu se aposentar, aos 58 anos, e deixou o caminho livre para Ricardinho. A diferença entre eles, na ocasião, era de 183 vitórias. Livre da pressão do forte oponente, Jorge Ricardo começou a remar rumo a realização do seu sonho de criança. Ele deseja se aposentar na condição de primeiro em número de vitórias em toda a história do turfe mundial. Com 12.813 vitórias, em 40 anos de carreira, ele agora só precisava de 31 para alcançar Russel Baze, que parou de montar com 12.844.

Os planos para o futuro já estavam traçados. Se aposentar e voltar com a família para o Brasil. Talvez montar por um mês ou pouco mais na Gávea para se despedir dos fãs e dos amigos. Com a queda de ontem tudo agora se transformou em incerteza. Ricardo é dono de currículo invejável, com vitórias em todos os páreos importantes da América do Sul, e a independência financeira está conquistada. Se fosse qualquer outro atleta seria fácil de adivinhar que a aposentadoria estava decretada depois do acidente de ontem. Mas, se tratando de Jorge Ricardo, a gente pode ter esperança de que daqui a alguns meses, ele apareça no dorso de um cavalo de corrida. Afinal, sem exagero, só consigo me recordar de três atletas, em suas modalidades, que conseguiram ter tanto sucesso. Pelé, no futebol, Oscar, no basquete e Ayrton Senna, na Fórmula 1. Por isso, todas as preces para a recuperação do melhor jóquei brasileiro de todos os tempos.

FONTE: LuizMelão / RaiaLeve