Rodrigo Pessoa desabafa: "Soube da morte do Baloubet Du Roue por um jornalista"

A imagem pode conter: 1 pessoa, cavalo e atividades ao ar livre
Rodrigo Pessoa e Baloubet Du Rouet foram um só durante quase uma década. Competindo juntos, foram os melhores do mundo, mas no momento de sua morte, o cavaleiro não esteve ao lado de seu fiel escudeiro. Rodrigo contou que "não teve despedida", não foi avisado pelos proprietários e soube do falecimento do cavalo no mês passado através de um jornalista, dias após a sua morte.
 
- Não teve despedida. Há 12 anos que ele estava em um haras em Portugal, e eu soube por um jornalista que ele tinha morrido. Não tinha mais contato com o proprietário português, que não teve a decência de me telefonar e compartilhar que o cavalo tinha falecido.
 
Baloubet ficou bastante conhecido após refugar três vezes e acabar com as chances de medalha de Rodrigo Pessoa na disputa individual dos saltos nos Jogos Olímpicos de Sydney 2000. No entanto, quatro anos mais tarde, o conjunto alcançou a redenção com a conquista do ouro do brasileiro e Baloubet nas Olimpíadas de Atenas 2004. Além do ouro olímpico de 2004, o animal ainda conquistou com o cavaleiro brasileiro o bronze olímpico por equipes em Sydney 2000 e outros três títulos mundiais - único conjunto cavaleiro-cavalo a alcançar tal feito junto.
 
Segundo informações da página oficial de Baloubet na internet, o cavalo morreu no dia 7 de agosto, por causas naturais, em Portugal, onde vivia sob cuidados de seus proprietários desde 2010. O animal tinha 28 anos e não competia desde 2006.
- Fico triste porque é um cavalo que fez parte da minha vida. Teve uma excelente aposentadoria debaixo de sol e teve uma bela morte. Para ele foi muito bom - afirmou Rodrigo, que atualmente se divide entre os Estados Unidos e a Europa, e assumou recentemente o posto de técnico da equipe de hipismo da Irlanda.
 
Mesmo depois de sua morte, o nome de Baloubet segue fazendo sucesso em competições de hipismo pelo mundo com filhos do icônico cavalo. Sua vida reprodutiva começou em 1999, mas só quando completou 17 anos é que passou a estar verdadeiramente disponível para reprodução.
Desde a sua aposentadoria, até o ano de 2010, o cavalo ficou instalado em um centro de reprodução na Bélgica, e a estimativa é que Baloubet tenha mais de 200 filhos competindo no Circuito europeu. No Brasil, segundo levantamento da Associação Brasileira de Criadores de Cavalo de Hipismo (ABCCH), são 96 filhos.