O salto do Cavalo Crioulo no Hipismo

As características da raça Crioula, tais como resistência, rusticidade e inteligência, atendem às mais diversas exigências e recruta novos admiradores mundo afora. Se o tripé de seleção (Morfologia, Freio de Ouro e Marcha de Resistência) é hoje uma realidade, outras provas e modalidades ganham espaço com as novas possibilidades que surgem.
 
Salto, no Hipismo, é uma delas. Essa experiência ocorre neste momento em Brasília/DF, no coração do Brasil. No Haras Anchieta, o criador Délcio Rodrigues Pereira tem treinado o colorado bragado rabicano DKP Ibérico, filho de AS Malke Quebrante e Ibérica da Escondida. O salto, que é uma prova na qual o conjunto segue um percurso com obstáculos diferentes e de variados graus de dificuldade, acaba por explorar boa parte das características da raça.
 
“Eu optei pelo Cavalo Crioulo pela sua versatilidade comprovada e assim o mantenho nas provas tradicionais da raça”, explicou Délcio. A escolha, portanto, vai ao encontro dos objetivos da prova que é “desenvolver a musculatura, a flexibilidade e a técnica para transpor obstáculos, com coragem, confiança, agilidade e velocidade em perfeita harmonia e total submissão ao cavaleiro”, de acordo com o site da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH).
 
A versatilidade destacada por Délcio Pereira é comprovada no dia a dia. “Sua capacidade de resposta ao treinamento tem encantado aqui em Brasília e Belo Horizonte/MG. Imagino que, em breve, estaremos ampliando o leque de aptidões do nosso cavalo”, apontou o criador que possui na família filhos que criam Quarto de Milha e também Brasileiro de Hipismo (BH).