Morre, aos 25 anos, o grande vencedor e produtor Corona Cartel

18 de dezembro de 2019 será um dia que ficará na história do Quarto de Milha de Corrida. O dia que o mundo perdeu Corona Cartel.

Ele foi sacrificado por conta de problemas relacionados a idade avançada no Lazy E Ranch, em Oklahoma, onde estava alojado desde 1997.

O filho de Holland Ease produziu ganhadores de US$ 62.790.257 até hoje. É o segundo maior produtor em somas ganhas da história, apenas atrás de seu avô First Down Dash.

Ele produziu um total de 1.787 filhos registrados, dos quais 1.539 correram e 357 ficaram em primeiro, segundo ou terceiro em provas clássicas.

Corona Cartel produziu 178 ganhadores clássicos, quesito que também só perde para First Down Dash.

Até hoje, a média de ganho de seus filhos em corrida é de US$ 40.779.

Corona Cartel foi o primeiro filho da campeã Corona Chick. Foi vendido em 1995 por US$ 43.000 em leilão para Celina Molina, que a levou pra vitoriosa campanha nas pistas com o consagrado treinador Jaime Gomes a partir de 1996.

Aos 2 anos ele venceu o Los Alamitos Million Futurity, o Kindergarten Futurity, o consolação do All American Futurity (com tempo melhor que o da final) e o Tiny’s Gay Handicap.

Em seu primeiro ano na reprodução, em 1998, vendeu todas as coberturas disponíveis a US$ 2.000. Sua primeira geração já fez bonito nas pistas, somando mais de US$ 1.600.000,00 em prêmios e ficando em segundo lugar, atrás apenas de First Down Dash.

A genética de Corona Cartel ficará marcada para sempre na história do Quarto de Milha. Além de diversos filhos figurando entre os principais garanhões do mundo, suas filhas são produtoras de mais de US$ 80.000.000,00.

Entre os principais filhos de Corona Cartel nas pistas estão: Blues Girls Too (fêmea com maior ganho da história do Quarto de Milha), Five Bar Cartel, KVN Corona, Flying Fig, Carters Cartel, Teller Cartel, Coronas First Diva, Time for a Cigar, Significant Heart, Chazaq, Eye For Corona, BP Cartels Alibi, Big Lew, Jess Ravin, Remember Me Rose e PYC Paint Your Wagon.

O sindicato, que é proprietário de Corona Cartel, ainda tem bastante estoque de sêmem congelado do garanhão, o que permitirá que ele continue com sua produção destaque nas pistas por ainda muitos anos.