Conheça mais sobre o garrotilho equino e os sinais que ajudam na identificação

Garrotilho equino é uma enfermidade muito comum em várias criações pelo mundo, muitas vezes costuma levar o animal a intenso sofrimento e causar prejuízos aos proprietários.
 
É também conhecido como adenite equina, doença responsável pela inflamação do sistema respiratório. Então, tem como causador a bactéria Streptococcus equi. que é transmitida pela via oral e nasal ou pelo contato direto e indireto com animais e objetos infectados.
 
A principal característica da enfermidade está ligada aos abscessos nos linfonodos que são apresentados na região do pescoço (submandibular) do animal. Sabe-se que após ocorrer a penetração em um novo hospedeiro, poucas horas após a infecção o S.equi é identificado nos linfonodos da cabeça, e tem início o processo de formação dos abscessos.
 
Assim que identificados os sinais clínicos característicos da enfermidade, é recomendado fornecer o tratamento rapidamente. 
 
CONSULTE SEMPRE O VETERINÁRIO 
 
Principais sinais do garrotilho equino
Existem alguns sinais comuns aos animais que são acometidos pela adenite equina, normalmente eles são observados entre 7 e 14 dias após o acometimento da infecção.
Abaixo listamos os principais, confira:
 
Febre
apatia
Anorexia
Tosse aguda
Secreção nasal
Dor quando palpado na região submandibular
Extensão do pescoço devido à dor na região da laringe e faringe
Dificuldades para respirar pela pressão dos linfonodos aumentados de tamanho
 
Transmissão e diagnóstico - CONSULTE SEMPRE O VETERINÁRIO
A transmissão do garrotilho equino se dá  via oral ou nasal, sendo mais comum em  ambientes onde há aglomeração dos animais. Pode ocorrer também através do contato com objetos que tenham sido tocados por outros animais doentes. Assim, é recomendado que as baias e objetos utilizados sejam desinfetados periodicamente.
 
O diagnóstico do garrotilho é realizado através da avaliação do quadro clínico do animal e avaliação. Então, é feita a palpação dos locais onde ocorreu a formação de linfonodos e abcessos, como no pescoço, juntamente com a identificação dos sinais descritos anteriormente. E mais, é fundamental realizar exames laboratoriais para chegar a conclusão concreta da doença.  
 
Sabendo que o garrotilho equino é contagioso, é fundamental que os animais afetados, assim que identificados sejam separados dos demais. A fim de, evitar que o agente infeccioso se dissemine, os animais portadores precisam ficar isolados por pelo menos quatro semanas. Juntamente com esse cuidado, deve ser feita a desinfecção de todos os objetos e locais onde o animal esteve.
 
Tratamento do garrotilho equino - CONSULTE SEMPRE O VETERINÁRIO
Com relação aos animais doentes, o tratamento é feito através da realização da drenagem dos abscessos. A propósito é feita a aplicação diária de compressas quentes e de cataplasmas sobre o local do abscesso. Em casos onde a doença está mais avançada é feito o tratamento antimicrobiano.
 
Como é feita a prevenção? CONSULTE SEMPRE O VETERINÁRIO
Para garantir a qualidade de vida do cavalo é essencial priorizar o manejo correto relacionado a algumas técnicas. Desse modo, estará inibindo a presença do microrganismo causador e minimizando a incidência de um surto da infecção.
Algumas medidas para prevenção podem ser adotadas, tais como:
 
Higienização dos locais onde o animal vive
Limpeza dos objetos presentes no ambiente (bebedouros e comedouros)
Evitar locais aglomerados com outros animais que já tiveram indícios do distúrbio
 
CONSULTE SEMPRE O VETERINÁRIO
Fonte: Escola do Cavalos