Brasil no 1º Fórum Mundial da Cultura do Cavalo na China

O 1º Fórum Mundial da Cultura de Cavalos (World Horse Culture Forum) começou no dia 29 de novembro em Hohhot, capital da região autônoma da Mongólia Interior, uma área da China onde os cavalos são uma parte importante da cultura local.
 
O Brasil foi convidado e participou dos três dias de conferência, através dos representantes das entidades NBHA Brazil, com seu presidente Abelardo Peixoto, e WBHA, com seu presidente Marcelo Delchiaro. Eles apresentaram um pouco da indústria equestre do Cavalo de Esporte de Três Tambores, onde a maioria dos animais atletas é composta por cavalos Quarto de Milha.
 
O tema da conferência, “cultura chinesa do cavalo e civilização mundial do cavalo”, abrangeu vários tópicos, incluindo proteção, heranças culturais e indústria de cavalos, além de integrar e promover conceitos de vários países.
 
Estiveram presentes representantes de mais de 40 países e mais de 10 organizações internacionais, bem como convidados de toda a China.  Foram representados os países: Brasil, China, Nova Zelândia, Alemanha, Espanha, Uruguai, Rússia, Turquia, Hungria, França, Itália, Portugal, Argentina, República Uzbequistão, Bulgária, Lituânia, Suriname, Tailândia, Islândia, Canadá, Irlanda, Japão, Cazaquistão, Suíça, Ucrânia, Inglaterra, Estados Unidos, Arábia Saudita e Azerbaijão entre outros.
 
No encerramento do evento, foi lançada a Declaração de Hohhot do Fórum Mundial da Cultura Hípica, com uma proposta para estabelecer a Associação Mundial da Cultura Hípica.
 
 A Mongólia Interior tem uma longa e rica história de equitação. A partir de junho de 2019, a região deu um grande passo adiante, quando foi inaugurado o hipódromo da Mongólia Interior. A nova instalação, que supostamente custou mais de US$ 200 milhões para ser construída, realiza corridas dos puro-sangue, reuniões de animais de várias raças e também de outras modalidades.  
 
Fonte: ABQM / NBHA Brazil