Autorizadas! Mulheres de Ouro tem sua primeira edição em Lavras do Sul

"Autorizada"! A letra ao final da palavra que difere o sexo daquele que monta não significa apenas uma mudança gramatical, mas um grande passo para a história do Cavalo Crioulo. Não é de hoje que as mulheres ganham visibilidade na raça, mas o último ciclo reservou grandes conquistas. A lembrar por Xaiani Gonzales, de apenas 16 anos, que foi primeiro lugar na Marcha de Resistência, uma das provas equestres mais difíceis do mundo; ou Simone Rocha, presente quatro vezes no pódio da final do Movimiento a La Rienda, em Esteio. Este final de semana, o município de Lavras do Sul/RS logrou uma iniciativa que busca futuramente unificar ainda mais os ginetes, deixando de lado a distinção de sexo.
 
Entre os dias 15 e 17, o Núcleo de Criadores de Cavalos Crioulos de Lavras do Sul realizou a primeira edição do Mulheres de Ouro - um evento destinado exclusivamente a ginetes do sexo feminino. Ainda que não seja uma prova oficial da raça, o regulamento obedeceu os moldes da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC). Por lá, os conjuntos inscreveram-se para Laço, Doma, etapas do Freio de Ouro e Paleteada. No Sindicato Rural do município, centenas de pessoas assistiram às provas e contaram com um show gratuito da cantora tradicionalista Shana Müller.
 
Uma pista só delas
Enquanto as inscritas realizavam suas apresentações, a presença das juradas no centro da pista chamava atenção pela metáfora que representavam ao público feminino. Se de um lado estava Carolina Zagonel - finalista do Freio de Ouro e da final nacional de Paleteadas - ostentando sua barriga aos sete meses de gravidez, de outro estava a jurada pertencente à lista 1 da ABCCC, Cristina Freitas. "Estar em pista é completamente diferente do que estar em casa na zona de conforto. Então só de elas estarem competindo já as torna de alto nível. A qualidade melhora de acordo com a quantidade de mulheres que vemos participando das provas", analisa Freitas, que também ressalta a relação mulher-cavalo e a mansidão dos animais domados por elas.
 
 
Vanessa Castilho, de Santana do Livramento/RS, conquistou a primeira colocação na etapa Freio de Ouro do evento. Primeira de sua geração na montaria Crioula, ela incentiva a participação do público feminino nos eventos que possibilitam este espaço. "Acredito que com vontade e dedicação podemos ser competitivas em um mundo com tantos cursos e coisas para se aperfeiçoar", disse. Já Fabiana Barcelos estava há algum tempo sem montar e decidiu voltar às pistas exclusivamente para participar do evento. Para ela, é necessário dar suporte à iniciativa e mesmo sem chegar ao pódio, o mais importante é participar.
 
Casa hospitaleira
Com espírito pioneiro e bastante acolhedor, o Núcleo de Lavras "gosta de ousar", nas palavras do presidente Mauro Ferreira. Este final de semana estiveram presentes mulheres do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e até mesmo do Uruguai - todas em busca de visibilidade em uma prova dedicada inteiramente a elas. "As mulheres já participam de todas as provas do cavalo. Elas correm paleteada, elas laçam, elas correm freio, então estava mais que na hora de fazer um fim de semana exclusivamente feminino", ressaltou.