27º Congresso Brasileiro da ABQM deve movimentar R$ 30 milhões em Avaré (SP)

A imagem pode conter: céu e atividades ao ar livre

Segundo associação, evento abre 500 postos diretos de trabalho e injeta mais de R$ 7 milhões na economia local.
 
O cavalo Quarto de Milha continua carregando oportunidades por onde passa. Embora a economia siga se rastejando, os negócios da raça vêm a galope. Segundo a Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABQM), o 27º Congresso Brasileiro – Conformação e Trabalho – deve movimentar, de 17 a 23 de abril, cerca de R$ 30 milhões e gerar aproximadamente 500 postos de trabalho. As provas ocorrem no Parque de Exposições Dr. Fernando Cruz Pimentel, em Avaré (SP), e devem atrair mais de 6 mil pessoas por dia.
 
Marco Antônio Razzini é proprietário de um restaurante em Avaré e garante que o faturamento da semana dos eventos da ABQM chega a ser maior do que arrecada em outros meses inteiros. “O movimento cresce bastante no comércio local, aumenta os ganhos, as contas são colocadas em dia e os efeitos da crise são amenizados”, explica o empresário. Os setores de hotelaria, locação de automóveis, combustíveis e comércio em geral também são beneficiados, chegando a faturar juntos em torno de R$ 7 milhões no período.
 
Para garantir uma vaga em um dos 19 hotéis e pousadas da cidade, a reserva precisa ser feita com muita antecedência. “A falta de leitos não é o único problema. O setor tem praticado preços exorbitantes. O que faz com que expositores durmam em suas próprias lojas e competidores se alojem em trailers, dentro do recinto”, reprova um participante. O problema também tem sido alvo de críticas da família quartista, que tem levado à ABQM reclamações e apresentado sugestões, como outras alternativas de locais para a realização dos eventos anuais.
 
“A maior arrecadação do Congresso Brasileiro fica por conta dos leilões, que devem apurar aproximadamente R$ 15 milhões em seis pregões, com a venda de 300 exemplares da raça”, assegura o presidente da ABQM, Fábio Pinto da Costa. No parque, são as empresas de ração animal, produtos veterinários e agrícolas, nutrição, ferrageamento, selarias, equipamentos para cavalo e cavaleiro, bijuterias, óticas, vestuário e alimentação que garantem mais R$ 6 milhões, outra fatia de toda a receita apurada durante as competições.
 
Inscrições e premiação
 
Superando o ano passado, o campeonato recebeu cerca de 5 mil inscrições de conjuntos – competidor e cavalo. De acordo com o Departamento de Esportes da ABQM, 1,2 mil competidores e 1,9 mil animais participam das provas, em 19 modalidades. “Além das almejadas fivelas e dos troféus, atletas de todo o Brasil buscam uma premiação superior a R$ 1 milhão, neste que é um dos maiores eventos equestres de uma mesma raça do país”, destaca o gerente de Esportes da ABQM, Henrique Campana.
 
Fonte: Jornal Dia a Dia