Cavalos que puxam charretes em Poços de Caldas (MG) recebem microchips

Discussão sobre charretes de turistas divide opiniões em Poços de Calda (Foto: Reprodução EPTV)
 
Os cavalos que puxam as charretes em Poços de Caldas (MG) começaram a receber chips com informações referentes a idade do animal e a identificação do dono. Com a novidade, será possível fazer um acompanhamento da saúde dos cavalos, que já foram, muitas vezes, alvos de maus tratos no município.
 
O procedimento é rápido. Em poucos minutos, o animal está cadastrado junto ao Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da cidade. Segundo o charretista Ricardo Batista Relti, os três cavalos que possui já estão microchipados.  “Vai ser bom porque qualquer coisa que acontecer com o cavalo saberão que é nosso”, disse.
 
De acordo com o coordenador de Vigilância Ambiental, Jorge Miguel Ferreira do Lago, o trabalho é feito por uma equipe de três veterinários da prefeitura. “Os cavalos são examinados antes de receberem os chips. A carteira de vacinação deles também é conferida. Somente o animal que tiver o microchip que poderá fazer o trabalho”, disse.
 
A saúde dos animais é a primeira coisa que é verificada antes da chipagem. “A gente vê se eles tem parasitas, vemos as mucosas, se tem algum problema de saúde que impede o trabalho na charrete”, explicou a coordenadora do CCZ, Sheila Patresi.
 
Segundo a Associação dos Condutores de Veículos de Tração Animal, cerca de 150 cavalos são utilizados nos serviços de passeio de 49 charretes da cidade. Os que já possuem o chip são recadastrados junto à secretaria de Saúde.